Gostou do artigo? Compartilhe!

Osteoporose - diagnóstico e tratamento

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

Considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como um problema mundial, a osteoporose é resultado de um desequilíbrio no metabolismo do organismo, como explica o médico ortopedista e traumatologista Marco Makoto Inagaki. “O ciclo do cálcio no nosso corpo é responsável pela eliminação e reabsorção deste mineral constantemente pelos ossos. A pessoa que tem osteoporose não consegue repor o cálcio que é eliminado, por isso os ossos ficam porosos e fracos predispondo o paciente a quedas e fraturas”, explica. Ele salienta que a doença é considerada crônica e de evolução lenta, mas apesar disso pode ser controlada.
A partir dos 65 anos é natural que o organismo perca mais cálcio, mas além disso os desequilíbrios hormonais provocados pela menopausa, a utilização de alguns medicamentos como os corticoides, a alimentação pobre em cálcio, o sedentarismo, o baixo Índice de Massa Corporal (IMC) e o fator hereditário podem desencadear o problema. As pessoas de raça branca também têm mais predisposição ao problema.
O médico explica que a reposição hormonal ajuda a diminuir a perda de cálcio em mulheres que entram na fase da menopausa, mas em alguns casos é preciso fazer a reposição do mineral. “Orientamos que estas mulheres e também os homens com mais de 65 anos façam atividade física com carga, como a musculação. Este tipo de esporte estimula a reabsorção de cálcio pelos ossos”, afirma.
O ortopedista destaca que junto com uma dieta adequada que tenha alimentos ricos em cálcio é importante tomar pelo menos 15 minutos diários de sol pela manhã. “A Vitamina D, aliada à luz solar, ajuda o organismo a reabsorver o cálcio necessário, evitando a osteoporose”, aponta Makoto.
Os principais problemas causados pela osteoporose são as fraturas, especialmente as de vértebras e quadris, que podem deixar o paciente em uma cadeira de rodas ou acamado por longos períodos. “A recuperação de fraturas nas pessoas idosas é mais lenta. Muitos pacientes se tornam dependentes de outras pessoas para realizar as suas atividades diárias, por este motivo a doença diminui muito a qualidade de vida”, destaca o ortopedista. Como a doença é assintomática, 75% dos diagnósticos são feitos somente após a primeira fratura. O médico salienta que a osteoporose é uma doença que pode ser prevenida e tratada. “As pessoas que alcançaram a idade que predispõe à doença podem pedir ao médico que solicite o exame de densitometria óssea, assim é possível avaliar a densidade e a quantidade de cálcio existente no osso do indivíduo”, afirma.

Autor

Dr Marco Makoto Inagaki

Dr Marco Makoto Inagaki

Ortopedista e Traumatologista, Ortopedista

Especialização em Ortopedia e Traumatologia no(a) Hospital das Clinicas - USP.